Profissionais de saúde que receberem as doses serão acompanhados por 12 meses e, em seguida, pesquisadores vão usar mais dois meses para compilar dados.

Infectologista do Hospital de Clínicas não deu previsão para início dos testes.

Infectologista da Unicamp, Francisco Aoki será responsável pela testagem da vacina chinesa no Hospital de Clínicas Márcio Silveira/EPTV O Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp, de Campinas (SP), fará testes e acompanhará 500 profissionais de saúde voluntários nos testes da vacina chinesa contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2).

A universidade é um dos 12 centros de testagens selecionados pelo Instituto Butantan, que conduz a pesquisa em parceria com uma farmacêutica chinesa.

Segundo o infectologista responsável pela condução dos testes na Unicamp, Francisco Aoki, os voluntários serão acompanhados por 12 meses.

Depois, os pesquisadores usarão mais dois meses para ajustar e compilar os dados.

Não há previsão para o início da testagem na Unicamp, segundo Aoki.

O termo de cooperação técnica entre o Butantan e a Unicamp ainda não foi assinado e a universidade de Campinas também aguarda a chegada de uma nova geladeira para armazenamento dos insumos.

Segundo o infectologista, os testes devem começar em datas diferentes nos diversos centros de testagem.

Ao todo, serão 8870 voluntários selecionados em todo o país.

Aoki explicou, em entrevista coletiva nesta quarta-feira (15), que metade dos voluntários receberá duas doses da vacina, enquanto o restante será a cota de placebo.

Os voluntários não saberão quem recebeu a vacina e quem entrou como placebo na pesquisa.

"O profissional de saúde que aceitar e que for eleito para realizar estudo ele terá que ter, entre aspas, obrigatoriedade de ir até o final do estudo.

No entanto, a qualquer momento o indivíduo, sem pestanejar, ele pode desistir da participação sem nenhum problema e sem ônus para esse indivíduo", explicou Aoki. A vacina A vacina, que é desenvolvida pela farmacêutica chinesa de biotecnologia Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, entrou na terceira fase de testes.

No dia 9 de julho, o governo estadual afirmou que a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) aprovou a realização dos testes.

A Conep avalia as normas, tipo de estudo e biossegurança.

A avaliação da Conep era o último requisito necessário para validar o estudo que irá comprovar a segurança e a eficácia da vacina.

No dia 3, o Butantan já havia recebido a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O processo de inscrição dos voluntários, aberto nesta segunda-feira (13) ocorre pelo sistema divulgado Instituto Butantan.

Para a parceria, o Governo do Estado de São Paulo investiu R$ 85 milhões. Critérios para ser voluntário: Precisa ser profissional de saúde atuando no combate à Covid-19 Não pode já estar participando de outros estudos clínicos Não pode ter contraído a Covid-19 Mulheres não podem estar grávidas ou terem intenção de engravidar nos próximos três meses Não pode ter doenças instáveis ou precisar de medicações que alterem a resposta imune Morar perto do centro de testagem Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Campinas